terça-feira, 26 de julho de 2011

Monotonia em excesso


Queridos leitores,

Venho depois de alguns séculos de ausência lhes cumprimentar. Fiquei uma semana de férias e sequer dei as caras, e tudo porque estou há quase vinte dias terminar um layout, que não quer sair. De qualquer forma, eu sinto que falo com as paredes, então, tanto faz.
O que fiz no meu precioso recesso? Fui arrastada para comprar roupas com minha amiga - pois é, sou conselheira de moda agora - e assisti vários e vários animes. E, claro, comi uma montanha de besteiras. Hoje pretendo revisar um pouco da matéria na internet, já que minha honorável mãe sequestrou meu cartão e não tenho como ir buscar meu material no trabalho. E, claro, por cartão, entendam passagem de ônibus - não sei, mas parece que só em São Paulo a gente usa o bendito cartão do ônibus.
Acho que, fora a revisão básica que preciso fazer, vou dedicar a tarde de hoje ao blog. Meu adorável irmão está de volta às aulas, e não pode sair de casa por conta disso (na verdade, por conta de uma longa trilha de travessuras e um castigo permanente, mas, histórias à parte...), então já praticamente terminamos a arrumação da casa. Tudo o que me aguarda agora é uma "pequena" torre de louça suja.

Aconteceu tanta coisa, não? Amy Winehouse se foi, Back to Black. Rolaram aí um monte de notícias que eu não estou acompanhando, o que é inaceitável para uma vestibulanda a meros quatro meses do vestibular. Mas ok, juro que vou prestar mais atenção. De alguma forma, estou mais preguiçosa, mas me sinto mais determinada agora pra esse segundo semestre. Pretendo não surtar até outubro. Daí pra frente, não garanto, há!

Como mencionei anteriormente, gastei minha preciosa semana de férias nos animes. Assisti Hidan no Aria, Black Cat e Ano Hi Mita Hana no Namae o Bokutachi wa Mada Shiranai. Uma breve avaliação de todos eles, sim?

Hidan no Aria pra mim foi uma mistura de Shoujo e Shounen. É consideravelmente fiel ao mangá na maioria dos aspectos, supera ele em outros e deixa a desejar em alguns. Algumas coisas foram cortadas, o que me dificultou o entendimento de algumas partes - só fui entender depois de ler o mangá, mesmo! No geral eu gostei. Achei a OP e a ED pouco exploradas e meio simplórias, também não gostei muito da letra da OP (e não sei dizer se foram erros de tradução, mas achei meio confuso e até sem-graça). A animação é muito boa, qualidade ótima, cores bonitas, bem trabalhada como têm sido todas as da J.C.Staff no geral. Possivelmente haverá uma segunda temporada, ouvi dizer que foi até confirmada, mas eu mesma não confirmo nada. Talvez, por conta disso, essa "primeira" deu a impressão de que só serviu para apresentar a estória e as personagens, de um certo modo ficou faltando coisa. Mas eu recomendo, adorei ver o anime assim mesmo!

Black Cat foi, de certa forma, uma decepção. A trilha sonora é boa, das openings e endings até as das cenas de ação, e o character design é muito bonito. A história, no entanto, deixou a desejar. Achei o anime meio parado, não me prendeu muito e no final a personagem principal vira mais "pano de fundo" do que qualquer outra coisa. Em parte, acho que preciso contar a época em que eu assisti, já que os animes novos sempre têm uma história elaborada e cheia de enigmas - FMAB, por exemplo -, e Black Cat é um anime bem antiguinho. Já ouvi dizer que o mangá é bem melhor, pretendo ler pra tirar a prova. As personagens são extremamente carismáticas, é só o enredo que parece se arrastar e faltam explicações e destaque para coisas mais importantes. O final é mal-explicado e eu fiquei sem entender, até que uma amiga me contou. É interessante, mas se você espera algo super elaborado e emocionante, Black Cat não é pra você. (n)

Ano Hi Mita Hana no Namae o Bokutachi wa Mada Shiranai tem um nome enorme, mas é bem curto: míseros 11 episódios. Apesar de curto, foi de longe o melhor que assisti essa semana, extremamento emocionante ao ponto de me levar até as lágrimas - e olha que eu chorei de soluçar. As músicas são muito fofas, a história é linda e consideravelmente elaborada. Existem várias coisas que não são faladas, tampouco explicadas, mas o enredo te leva a deduzir muitas delas. O final foi totalmente inesperado e senti que foi corrido (aliás, mais dois episódios não iam matar ninguém, ok?), mas ainda assim foi excepcional. Recomendo mil vezes para todos, vocês precisam assistir esse anime e se apaixonar pela história dos Super Protetores da Paz! ♥

Bem, queridos, termino aqui. Êis aí um post enorme, pra tirar o atraso mesmo. Escrevi tanto que até me perdi no meio da bagunça, espero que não se percam também.
Até a próxima, caros leitores! o/ Ja ne!

Ouvindo Back to Black, da Amy Winehouse.
Beijos para Tappi, Tomie, Junny, Yuu e Vini.